Obrigada Deus!

Obrigada Deus, por mais 
esse abençoado ano que passou.

Sim, abençoado! Antes, eu não sabia o ciclo que minha roupa passava... Não sabia que depois que eu usava ela e colocava no cesto, alguém tinha que ir lá, pegar, lavar, passar, dobrar e colocar no guarda roupa pra mim usar denovo, e quando demorava mais de quatro dias pra roupa voltar eu ainda ficava com "raiva".

Antes, quando eu ia fazer qualquer comida na cozinha (porque eu estava com vontade de comer algo diferente), eu não precisava me preocupar em comprar os ingredientes, e as louças podiam esperar até o outro dia para serem lavadas, e no outro dia, estava tudo impecável sem eu mexer um dedo!

Antes, quando eu inventava alguma coisa que gerasse bagunça, mesmo que fosse útil, eu não precisava olhar tudo hiper cansada e mesmo assim arrumar tudo antes de dormir. Antes eu não sabia quanta poeira uma casa junta, e quão trabalhoso é sempre varre-la.

Não sabia quantos panos de prato eram usados por mês, pra mim bastava um (rs)! Ah, e não sabia que a cama não se arruma automaticamente no prazo de você ir no banheiro escovar os dentes.

Antes, eu fazia uma comida e por pior que estivesse, eu recebia elogios. Eu passava uma roupa, e por mais que estivesse amassada eu era reconhecida, era como um ato heróico! Antes, por fim, eu definitivamente não sabia o que era amar alguém com todos os defeitos e manias que a pessoa tem, e querer continuar com ela mesmo que a vida que eu tinha de princesinha seja substituida por uma vida cheia de responsablidades. Antes, agora e sempre eu quero ficar com você, porque eu sei que você é o homem da minha vida, Charles. O homem que Deus me prometeu e consagrou como meu marido.

Nesse ano eu aprendi que amar dói, mas antes a dor de amar, do que a dor de nunca ter sentido você dentro de mim filho. Aprendi a dizer adeus as pessoas que amo, sem tirá-las do meu coração; a sorrir as pessoas que não gostam de mim, para mostrá-las que sou diferente do que elas pensam de mim. Aprendi a calar-me para ouvir e a aprender com meus erros, afinal eu posso ser sempre evoluir.

Sonhei acordada e a acordei pra realidade (sempre que foi necessário) e a aproveitei cada instante de felicidade! Aprendi a ver o encanto do pôr do sol ou até mesmo achar beleza em uma mitocôndria, afinal eu sou bióloga, não é?!

Por isso tudo e mais um pouco hoje sou feliz... e estou muito contente com mais essa etapa concluída em nossas vidas! É claro que bate um misto de saudade e tristeza, de cara... Mas em compensação as mudanças são visíveis. Obrigada meus amigos por esses anos inesquecíveis. E obrigada também a todos que estiveram sempre presente, sofrendo, sorrindo... Obrigada a todos que, enfim, fizeram que esse sonho (esse ano) tornar-se realidade!

Fotografia que tirei numa queima de fogos da Festa Junina daqui de casa.

Feliz Ano Novo!!!
Esse Foi Mais Um Ano de Uma Vida Muito Abençoada!

Fotos da nossa 1° Lua de Mel.
Chegando do Paraíso
e ainda me sentindo nele.

Uma cidadizinha de interior chamada Panelas,
aqui em Pernambuco.
Tudo o que é belo tende a ser simples. Afirmação generalizante? Não sei. O que sei é que a beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins.Vida que se ocupa de ser o que é. Não há conflitos nas bromélias, não há angústias nas rosas, nem ansiedades nos jasmins. Cumprem o destino de florescerem ao seu tempo e se despedirem do viço quando é chegada a hora. São simples... Não querem outra coisa se não a necessidade de cada instante. Não há dispersão de energias. Tudo concorre para a realização desse instante. Acolhem a chuva que chega e dela extraem o essencial. Recebem o sol e o vento e mudam ao seu tempo. Simplicidade é um conceito que nos remete ao estado mais puro da realidade. A semente é simples porque não se prende na tentativa de ser outra coisa. É o que é. Não desperdiça seu tempo querendo ser flor antes da hora. Cumpre o ritual do existir, compreendendo-se em cada etapa. Já dizia o poeta: Simplicidade é querer uma coisa só. Eu concordo com ele. O muito querer nos deixa complicados demais. Queremos muito ao mesmo tempo, e então nos perdemos nos emaranhados dos desejos. Há o risco de que não fiquemos com nada, de que percamos tudo. Aquele que muito quer corre o risco de nada ter, porque o empenho e o cuidado é que fazem a realidade permanecer. O simples anda leve. Carrega menos bagagem quando viaja e por isso reserva suas energias para apreciar a paisagem. O que viaja pesado corre o risco de gastar suas energias no transporte de malas. Fica preso, não pode andar pelo aereoporto, fica privado de atravessar a rua e se transforma num constante vigilante do que trouxe. A simplicidade é uma forma de leveza. Nas relações humanas ela faz a diferença. O que cultiva a simplicidade tem a facilidade de tornar leve o ambiente em que vive. Não cria confusão com pouca coisa, não coloca sua atenção no que é acidental, mas prende os olhos naquilo que verdadeiramente vale a pena. Pessoas simples são aquelas que se encantam com coisas menores. Sabem sorrir diante de presentes simbólicos e sem muito valor material. A simplicidade lhe capacita para perceber que nem tudo precisa ser de utilidade. Quero ser mais leve, mais simples. Querer uma coisa de cada vez. Abandonar inúmeros projetos futuros que me cegam para a necessidade do momento. Projetos fuuros valem a pena, desde que sejam simples, concretos e aplicáveis. Não gostaria que a morte me surpreendesse sem que eu tivesse alcançado a simplicidade. Até para morrer os simples têm mais facilidade. Sentem que chegou a hora, se entregam ao último suspiro e se vão. Tenho uma intuição de que quando eu simplificar a minha vida, a felicidade plena chegará quando eu menos esperar.

E adivinha quem curtiu muiiiito também!


Texto lindíssimo de Fernando Dantas de Matos de 11 de novembro de 2007.
Isso tudo se enquadra (e muito) a minha vida atual. Ser simples é mais.



Feliz Natal


Nosso Casamento Civil ❥

No outro post eu ainda era solteira, agora sou mulher casada. Pois é meninas, aquela contagem regressiva era para o nosso casamento civil que aconteceu no último dia 15. Eu achei que daria para vir aqui e postar, mas que nada, deu apenas hoje.

A celebração foi simples mas muito feliz, intensa. Depois de ter perdido o bebê nós, finalmente, tivemos uns dias de alegria. Foram, de fato, dias alegres, mas sabe quando falta alguém? Bem, essa é a sensação que temos desde que o bebê se foi... Sempre falta ele. Mas a gente segue, faz de conta que está tudo bem, até porquê algumas pessoas não entendem muito bem. Não por maldade ou coisa assim, e sim, porquê cada um sente de uma forma e temos a mania de padronizar sentimentos: "se eu sinto assim, todo mundo sente", mas não é por aí... Não mesmo. Cada coração um mundo, uma forma de sentir e por enquanto eu posso dizer que sou feliz e triste.

O mais interessante é que o título deste blogger "Bittersweet" nunca fez tanto sentido. Bittersweet quer dizer doce-amargo, depende da tradução. Então ele tem me definido bem, pois sigo alegre, mas também triste, saudosa. Saudosa demais...

Mas enfim, quem quer fotos levanta a mão!


Na frente do fórum antes de casar.



Papai feliz da vida! Ele estava radiante, imagina quando for o religioso!!!



Os padrinhos - grandes amigos meus e de Charles - eu e Papai.



Broto e eu já casados ainda dentro do fórum.



Depois do casório nós fomos comer e beber (muito bem, por sinal) 
em um restaurante daqui do Recife.



Eu e a minha daminha linda, minha afilhada Aline.

O dia do nosso casamento foi tão bonito que eu tenho ele, com todos os detalhes, gravado em minha mente. Na verdade, por já morar com Charles há um ano eu achei que nem iria me emocionar muito, sabe? Mas foi o contrário. Passou um filme na minha cabeça de como conheci Charles, da noite em que começamos a sair. Da primeira vez que ele veio aqui em casa se apresentar a Papai,  esse dia foi um nervoso geral, ele foi meu primeiro namorado sério (rs)! De quando noivamos... Todas as nossas primeiras vezes. Das nossas viagens, das alegrias, das perdas. Dos momentos únicos, como a gravidez e como nós ficamos ainda mais unidos com ela e a perca dela. E lá estávamos nós dois, depois de sete anos, dizendo ao mundo que nosso amor é verdadeiro e que acreditamos e que faremos de tudo pra que seja para sempre.

Dificuldade nós temos, claro, afinal somos um casal de verdade! Mas enquanto houver amor sempre estaremos um para o outro como se o resto do mundo não existisse. Tenho muito orgulho da nossa relação e de como levamos nossa relação; é uma benção de Deus. E esses são Detalhes de Uma Vida Abençoada!!!

Procissão de Nossa Senhora da Conceição!

Depois de tudo que passei nesses últimos dias era normal e esperado que eu me questionasse sobre a fé. E eis que tenho minha resposta: esse ano eu não pude ir a Procissão de Nossa Senhora da Conceição e ela simplesmente passou aqui na frente de casa. Me senti tocada pela fé, de novo. Foi lindo!!!


Ah, a foto e o vídeo são SIM de minha autoria!


E só faltam 9 dias...
Não podem acontecer erros!

http://bittersweetsworld.blogspot.com/2010/06/eclipse-ai-vou-eu-o-proximo-dia-30-vai.html

Eu vou rir com o Rio!!!




A Pixar está produzindo o filme Rio, the Movie, sobre a cidade do Rio de Janeiro. Dos mesmos criadores da trilogia A Era do Gelo, o filme tem direção do brasileiro Carlos Saldanha.

O filme já tem site oficial e trailer. A trilha sonora da página é a música "Mas que Nada", de Jorge Bem Jor. A previsão é de que o filme chege aos cinemas em abril do ano que vem. Já tô lá...
.

Gente, lembram do enjôo do post anterior? Do que aconteceu na Sexta-feira...? Pois é, era início de uma virose gastrointestinal. Ontem eu já passei o dia triste, com dores no corpo que confundi sendo dor da alma e tirei o dia para dormir, literalmente. Hoje de madrugada acordei com dor de barriga e aí eu vi que minha tristeza e moleza tinha outro motivo. Mas nem deu para descansar tanto hoje, logo pela manhã fui buscar meu vestido e comprei os sapatos do casamento civil. Lindos de viver!!! O vestido entrou o "P", a barriguinha de grávida finalmente se foi depois de usar a cinta e a silhueta voltou a ser a de sempre. No mais, estou enjoando horrores e a barriga está dando voltas, fora a febre e dor no corpo, mas no geral tudo vai bem e o dia até que foi proveitoso. As obras aqui em casa estão aceleradas e durante a semana eu tenho um bocado de coisas para resolver, espero estar melhor então. E é isso! Um bom início de semana para todo mundo e para quem está querendo seu positivo muita sorte e amor.

Montanha-russa de sentimentos, sabe o que é isso?!

Se não sabe, eu vos explico, se você tiver paciência. Bem se não tiver eu escrevo de qualquer jeito mesmo, porque isso é uma forma de eu tentar estabilizar tudo, ou seja, colocando pra fora. Désolé...

Bem, na quarta-feira foi um capítulo a parte da minha vida: muita informação nova, que ainda não assimilei todas. Quando tudo estiver certinho eu conto por aqui. Mas definir meu humor, neste dia, em uma palavra seria 'apática', alheia até a um sorteio de mega-sena. Já na quinta-feira eu estava toda contentinha e foi um dia feliz. Eu estava em 'good vibe'.

Ontem, eu tive retorno de dois anos da minha gastroplastia com Dr. Pedro e a primeira pergunta que ele fez quando me viu na sala de espera foi: "Cadê a barriguinha?" - isso aconteceu umas cinco vezes nesses últimos dois dias, a maioria no Orkut, na verdade - e, como sempre, eu respondo com meu texto pronto que perdi o bebê.

Lá dentro do consultório, quando chegou minha vez, Dr. Pedro se desculpou por ter perguntado pelo bebê, porque ele não sabia do aborto. E eu falei para ele que seria o normal ele perguntar, não é mesmo? E mesmo eu tendo ele no meu Orkut e Facebook eu sei que ele só entra lá esporadicamente e, mesmo quem entra sempre já me fez a mesma pergunta que ele, já que eu postei que tinha perdido o bebê e depois não mais falei sobre o assunto nos respectivos locais. Porque, afinal de contas, não cabe ao local. 

E então começou a consulta. Ele me pede para deitar na maca, levanta a minha blusa, aperta todos os locais aonde dói até que eu pergunto: 'Porquê o senhor só aperta aonde dói, hein? Aqui não dói não, pode apertar aí que eu eu deixo...' e ele rindo: "Mas aí não tem pontos da cirurgia, não tem graça".

Exame físico: ok! Vamos as perguntas então, né? E volta-se ao papo da gravidez... E juro, ele me explicou tudo tão bem explicadinho que parecia um obstetra. A-D-O-R-E-I. (Ter obstetra homem deve ser muito legal!). Ele me disse também que era para eu tentar de novo, dai eu fiz a pergunta que martelava na minha cabeça mas que ainda não tinha tido coragem de perguntar a ninguém:

- Mas Dr. Pedro, se eu já tive um bebê assim com esse problemas é bem possível que eu tenha outro, né?

E ele disse: "Não! É muito raro acontecer abortos repetidos e se acontecer é um caso a se estudar. Porque aborto só acontece até o terceiro mês, após isso é parto prematuro, normalmente ocasionado por incompetência istmo-cervical - que eu já tinha lido sobre -, e no seu caso seria uma loteria muito grande, ou seja, muito azar vir dois abortos repetidos."

Dai ele mandou eu subir na balança, um dos fatos de eu ter ido correndo me consultar com ele foi porque eu engordei 4kg depois que perdi o bebê - e nem venham me dizer que foi o soro que tomei durante o tempo que fiquei internada porque eu acho que ele já virou xixi há muito tempo -. E pronto, ele viu que eu engordei, eu admiti que estava com a boca nervosa a noite, ele passou remédio e na saída do médico eu encontrei Charles num barzinho de frutos do mar, daqui de Recife, para uma happy hour gastronômica mesmo, já que nenhum de nós dois bebemos. Sei que comi, exagerei, enjoei, fui pro banheiro um pouco. A sorte é que o banheiro desse bar, consegue ser tão bom quanto o ambiente externo dele; tem ar refrigerado, puffs para vc sentar, e foi isso que fiz, dei uma boa de uma gargarejada com Listerine - eles também tem lá litros de Listerine free - e sentei um pouco embaixo da boca do ar condicionado.

Nisso uma das senhoras que trabalha na limpeza me perguntou se eu estava dor dor, se eu queria um absorvente  - sim, eles são gentis e prestativos assim! -, eu disse que não (...) por fim terminei foi contando tudinho da minha vida a ela, enquanto Charles comia mais um bocado na nossa mesa. Ela sentou num outro puff e me contou que tinha cinco filhos vivos, mas que tinha feito aborto de outros e que se fosse hoje em dia ela jamais teria feito aquilo, teria dado para adoção, que às vezes até escutava até choro de bebê e achava que era um dos seus. Eu falei para ela não se culpar mais do que já sentia, porque mais do que ninguém ela sabe a dor que sente por ter feito aquilo e por não ter aqueles filhos ao lado dela. Não falei sobre Deus, assassinato ou pecado, não vem ao caso.

Sinceramente, aquela mulher carregava tanta dor dentro de si, que se ela tem débitos com o céu estes já estavam sendo pagos, sabe? Não sou a favor do aborto, mas não bato boca com quem fez, cada um sabe o peso que leva em suas costas e eu não gosto é de radicalismo. Consigo conviver com gregos e troianos muito bem.

Por fim eu melhorei, agradeci a senhora e ela disse: "Nem se preocupe que logo você vai vir aqui grávida e depois com seus filhos". Agradeci a ela os cuidados que teve comigo e mais uma vez a confortei sobre o que ela tinha me confidenciado.

Apesar de conhecer o mundo das 'tentantes' de perto e saber que muitas não compreendem o porquê de mulheres que não desejam mais filhos engravidarem como se pegassem uma gripe e elas não conseguirem nem com reza forte, eu consigo me manter neutra e apenas achar que isso tudo são peças da vida. E a gente tem que aceitá-las ou lutar contra elas, dependendo da personalidade de cada uma de nós.

Eu sou das que luto, vou a briga. Vou tentar ter meu bebê de novo, mas não agora. Por hora me permito a um outro tipo de luto; aquele luto que não é depressão, é só tristeza. E esse é o meu humor de hoje: luto. Amanhã, graças a Deus, é outro dia e outro humor vem, porque como todas as mulheres sou de fases e pensando bem, ou melhor, calculando bem, eu devo estar já na TPM. E é assim mesmo, como diz a minha querida Marcinha temos dias de um passo adiante, dois pra trás e no outro dia ao inverso e assim a gente vai vivendo a vida. E vai mesmo!

Se ela gostou do presente?!
Ela pirou, literalmente.


Depois mostrando todo o seu orgulho nordestino.


E por último eu duvido vcs assistirem esse vídeo e não falarem ❝hooun❞.


Realmente, fica sempre, um pouco de perfume nas mãos que oferece rosas.
Foi uma tarde maravilhosa!

Meu Algodão-Doce Cor de Rosa!

Hoje não é Natal, mas o Natal já começou para Aline.

Ela está vindo passar a tarde e eu não resisti e montei o presente dela. Para o meu espanto não coube dentro de casa e tive que colocá-lo no jardim. Espero que a tarde seja fresca, em todo caso, sempre existe o bom e velho banho de mangueira. Porque mãedrinha ama muiiiiiiito a afilhadinha dela


Depois de 45min de suor e um galo na testa, está aí o resultado!
Acho que ela vai gostar :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...